Continua após a publicidade.
ad

O momento da procura de um emprego pode ser muito stressante e ter um bom currículo profissional pode ajudar nessa procura.

Uma das formas de se destacar entre os vários candidatos a qualquer posição laboral é através de um currículo profissional que cause boa impressão a quem o leia pela primeira vez e que seja revelador, logo à partida, dos seus pontos fortes.

Com um currículo, também conhecido por Curriculum Vitae (CV), bem estruturado, as probabilidades de ser contratado para a posição dos seus sonhos tornam-se muito mais reais.

Nunca se esqueça que o currículo profissional é o contacto inicial que os recursos humanos de uma empresa têm consigo e, como tal, deve dar-lhe sempre o devido valor para reduzir o período de procura de um novo desafio profissional. Segundo alguns estudos, quem procura emprego por um grande período pode ter mesmo problemas ao nível de depressão.

Como criar um bom currículo profissional

Existem alguns truques que todos podemos usar para criar um documento que se destaque, tais como:

  • Boa formatação e legibilidade;
  • Não colocar informação não relevante para o cargo;
  • Evitar colocar “palha”, já que pode complicar a leitura;
  • Use negritos para realçar pontos fortes da candidatura.

Existem também ferramentas online que ajudam a criar currículos que vão de encontro às necessidades dos recrutadores. Um dos melhores sites para ajudar a criar um currículo profissional é o www.cvwizard.com.

Neste site, encontra uma plataforma com tipos de modelos de Curriculum Vitae para várias profissões, desde enfermeiros, programadores ou professores. Todos os documentos são criados tendo em conta os pontos fortes dos candidatos e numa linguagem simples e clara.

Neste artigo iremos mencionar cinco dos erros mais frequentes num currículo e como os poderá evitar.

1

Usar CV genéricos ou em formatação antiquada

No final da primeira década do milénio, muitos currículos eram criados através de uma plataforma online. Apesar desta ferramenta ajudar a estruturar bem um documento, a quantidade de pessoas que a usava acabava, com o tempo, a ser um dos grandes problemas do website.

Continua após a publicidade..

Se nos colocarmos no lugar de alguém dos recursos humanos de uma determinada empresa, é fácil perceber o quão aborrecido seria ver centenas de candidaturas todas iguais, usando o mesmo modelo. Passando algumas semanas, certamente seria difícil para nós conseguir perceber quem se distinguia entre tantas candidaturas aparentemente iguais.

A nossa solução para este problema passa por dois pontos-chave:

  • não tentar copiar outros CVs ou usar plataformas de criação de currículos já muito conhecidas;
  • tente usar novos templates de currículos, desde que adequados, para conseguir destacar-se entre os vários candidatos.

Ao criar o seu curriculum vitae, tenha sempre em atenção aos erros de gramática que possa dar. Saber, por exemplo, quando usar “há” ou “à” é essencial, assim como saber que “á” nunca é usado de forma isolada e que a palavra nem existe em português.

Para ultrapassar estes erros, já que os mesmos podem ser dados por distração ou por carregar na tecla errada do teclado, sugerimos:

  • rever sempre o que escreveu. Se possível, peça ajuda a alguém para reler, já que irá sempre ter uma dupla revisão do texto.
  • usar sempre o revisor do software de texto onde está a escrever ou, se estiver a escrever num documento online, pode instalar uma extensão que corrija eventuais erros que possam surgir.

3

Não se focar nas necessidades das empresas

No dia a dia das agências de recrutamento ou dos recursos humanos das empresas, pouco é o tempo que existe para analisar em detalhe todos os elementos de cada currículo de candidatura.

Continua após a publicidade..

Desta forma, e como dissemos no primeiro ponto, é importante que o seu CV se destaque e, para além da questão visual, deve também adequar o texto ao que o anúncio de emprego pede.

Imaginemos que existe uma vaga para um cargo de chefe de equipa que lhe parece interessante; no currículo deverá enfatizar a sua capacidade de liderança e responsabilidade que tem ou que algum emprego lhe trouxe e não como sabe programar em linguagem JAVA, por exemplo.

Deve ter sempre em mente estes dois pontos:

  • ler sempre bem o anúncio e adaptar o seu CV às necessidades da empresa à qual se candidata;
  • enfatizar as qualidades que possui e que podem ser úteis no cargo a que se candidata, de forma a ser visto como uma potencial escolha do recrutador.

4

Ter demasiada informação

Este ponto tem muitas similaridades com o anterior, mas também existem diferenças. Para além de adaptar o seu currículo profissional ao que é pedido no anúncio, também deve ser capaz de resumir as suas qualidades e não explicar ao pormenor tudo o que fez no seu passado profissional.

Se a empresa o pedir, poderá depois usar essa informação adicional numa entrevista de trabalho. Desta forma pode até ter informação nova para surpreender pela positiva os entrevistadores.

Pense no seu CV como um pequeno anúncio de TV sobre si, onde tem apenas alguns segundos para demonstrar a quem lê que é a escolha certa para o lugar.

Para ajudar neste ponto, sugerimos:

  • nunca tenha um currículo com mais de duas páginas, visto que irá ter informação espalhada e será difícil ao recrutador perceber o porquê de ser a escolha certa;
  • seja conciso e muito específico na informação que dá. Use sempre o anúncio de emprego como ponto de partida e descreva os seus pontos fortes, deixando de lado tudo o que possa ser secundário.

5

Mentir sobre competências académicas ou passado profissional

Chegámos ao último ponto, mas é sem dúvida um dos mais importantes. Nunca exagere sobre os seus pontos fortes ou caia na tentação de mentir sobre as suas qualificações para um determinado posto de trabalho.

Quem trabalha em recursos humanos tem ferramentas para confirmar a veracidade das informações dadas e uma mentira sobre um curso ou especialização pode ser o suficiente para perder uma proposta de trabalho.

Não diga que é um conhecedor avançado de Adobe Photoshop, por exemplo, quando não sabe utilizar o software. Se o Photoshop for uma ferramenta necessária para o cargo, a probabilidade de usar regularmente o programa é grande e pode ter problemas ao demonstrar as suas reais capacidades.

Também não diga que fala fluentemente outra língua, já que nas entrevistas é quase sempre pedido para falar nesse idioma com o recrutador, o que pode levar a situações embaraçosas.

Assim, deve sempre:

  • procurar ofertas de trabalho que sejam adequadas para o seu perfil profissional
  • ser honesto e sincero no seu currículo e nas suas palavras durante o recrutamento

Esperamos que este artigo tenha ajudado na criação de um currículo mais adequado ao seu perfil profissional e que a sua procura de trabalho seja breve e muito bem sucedida.

Share.