Continua após a publicidade.
ad

A alta do petróleo nos últimos meses levou a um descolamento dos valores cobrados pela Petrobras nas refinarias frente às cotações internacionais dos derivados. De acordo com o Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), a defasagem da gasolina da Petrobras nas refinarias chegou a R$ 0,49 por litro na segunda-feira, 12 de Setembro.

Alta nos preço perdura por meses. (Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br)

O que acontece?

Esse descolamento ocorre porque a Petrobras adota uma política de preços de paridade de importação (PPI), que significa que os preços dos combustíveis vendidos no Brasil são atrelados às cotações internacionais dos derivados. No entanto, a Petrobras tem adotado uma série de medidas para evitar repassar aos consumidores toda a alta do petróleo, como a redução do lucro da estatal e o aumento da oferta de combustíveis no mercado interno.

As medidas têm sido criticadas por especialistas e consumidores, que argumentam que o descolamento dos preços dos combustíveis no Brasil frente às cotações internacionais está pressionando a inflação e prejudicando a competitividade da indústria nacional. A Petrobras ainda não anunciou quando vai reajustar os preços dos combustíveis. No entanto, é provável que a estatal tenha que fazer isso em breve, para evitar perder ainda mais participação de mercado para os importadores.

Continua após a publicidade..

Ao término da semana anterior, o preço do petróleo Brent registrou um aumento de 2,54%, atingindo a marca de US$ 90,03, impulsionado por relatórios que indicavam uma restrição na oferta global da commodity. No início da semana subsequente, mais precisamente na segunda-feira (11), o valor permaneceu inalterado.

A defasagem dos preços dos combustíveis no Brasil frente às cotações internacionais é um problema complexo, com implicações econômicas e políticas. É provável que o tema continue a ser discutido nos próximos meses, à medida que a Petrobras e o governo federal buscam encontrar uma solução que atenda aos interesses de todos.

Continua após a publicidade..

Veja também: Está valendo a pena abastecer com etanol no Brasil? Calculamos o custo-benefício do álcool e da gasolina, descubra

Consequências

A alta dos combustíveis no Brasil tem sido um dos principais problemas econômicos do país nos últimos meses. Os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha subiram de forma significativa, pressionando a inflação e prejudicando a economia.

As principais consequências da alta são:

  • Pressão inflacionária: A alta dos combustíveis é um dos principais componentes da inflação no Brasil. O aumento dos preços dos combustíveis pressiona os custos de produção de empresas de diversos setores, o que acaba sendo repassado aos consumidores nos preços de produtos e serviços.
  • Perda de competitividade: As empresas brasileiras precisam pagar mais para transportar suas mercadorias, o que aumenta seus custos e torna seus produtos mais caros no mercado internacional.
  • Impacto no transporte: O aumento dos preços dos combustíveis encarece o transporte de pessoas e mercadorias, o que pode levar ao aumento das tarifas e à redução da oferta de serviços.
  • Impacto no consumidor: Os brasileiros gastam mais dinheiro com transporte, alimentação e outros produtos e serviços que dependem de combustíveis.
  • Impacto social: A alta dos combustíveis também tem um impacto social, afetando principalmente as famílias de baixa renda. Essas famílias gastam uma proporção maior de sua renda com transporte, o que pode levar à redução do consumo de outros bens e serviços essenciais.

O governo federal tem tomado medidas para tentar conter a alta dos combustíveis, como a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. No entanto, essas medidas têm sido limitadas e não têm sido suficientes para conter o aumento dos preços.

Veja também: Precisando GASTAR MENOS com gasolina? Confira essas dicas INFALÍVEIS para ECONOMIZAR combustível

Share.